CHEQUE E NOTA PROMISSÓRIA

Até quando podemos ingressar na Justiça para exigir o pagamento se este não for espontâneo?

O cheque e a nota promissória são títulos de crédito que admitem cobrança judicial se o devedor não realiza o pagamento espontaneamente.

O cheque é uma ordem de pagamento a vista. Assim, não tem data de vencimento estipulada, mas apenas a data da emissão do título. Da data de emissão, o credor terá 30 ou 60 dias para apresentar o título ao banco sacado para que este realize o pagamento se o devedor tiver fundos para tanto. O prazo de 30 dias se aplica se o cheque é de mesma praça, ou seja o local da emissão é o mesmo da agência pagadora do banco sacado; já se o local de emissão é diverso do da agência pagadora, o prazo é de 60 dias. Caso o cheque seja devolvido por ausência de fundos, o credor poderá buscar o pagamento através do Poder Judiciário.

O prazo de prescrição para a ação de execução do cheque é de 6 meses contados do término do prazo de apresentação. Ou seja, findos os 30 ou 60 dias, dependendo do caso, terá o credor 6 meses para executar o título no Judiciário.

Contudo, caso perca este prazo de 6 meses, ainda há uma outra possibilidade. A cobrança poderá ser feita através de uma ação monitória. Esta tem prazo de 5 anos contados da data da emissão do cheque, ou seja, contados da data que conta no documento.

Em relação a nota promissória a sistemática é parecida. A diferença está no fato de a nota promissória ser uma promessa de pagamento, ou seja, admite vencimento futuro. Assim, a contagem dos prazos para ingressar na justiça se dão a partir do vencimento do título.

O prazo de prescrição para a ação de execução da nota promissória é de 3 anos contado do vencimento, para cobrar do devedor principal, e de 1 ano, contato do protesto do título, para cobrar dos codevedores, como endossantes e seus respectivos avalistas.

Contudo, caso o credor perca tais prazos, ainda há outra possibilidade, assim como no caso do cheque. A cobrança poderá ser feita através de uma ação monitória. Esta tem prazo de 5 anos contados do dia seguinte ao do vencimento da nota promissória.

Portanto, resumidamente, se o devedor não cumpriu espontaneamente com a obrigação assumida através do cheque, o devedor terá até o máximo de 5 anos contados da data de emissão estampada no título para cobrar judicialmente. Já, em se tratando de nota promissória, o credor terá os mesmos 5 anos, mas, neste caso, contados do dia seguinte ao do vencimento do título.

Esse é o posicionamento do Superior Tribunal de Justiça, conforme súmulas editadas no ano de 2014:

SÚMULA 503-STJ: O prazo para ajuizamento de ação monitória em face do emitente de cheque sem força executiva é quinquenal, a contar do dia seguinte à data de emissão estampada na cártula.

SÚMULA 504-STJ: O prazo para ajuizamento de ação monitória em face do emitente de nota promissória sem força executiva é quinquenal, a contar do dia seguinte ao vencimento do título.

Não perca os prazos para exigir o seu direito!

Share
This

Deixe um Comentário

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>